Centro de Equoterapia de Jataí traz resultados emocionantes aos praticantes

  • Data: 08/06/2018

DSCN6898A equoterapia é um método terapêutico e educacional, que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem multidisciplinar e interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiências ou necessidades especiais. A terapia trabalha equilíbrio, firmeza e possibilita a interação emocional entre o cavalo e o praticante. O Centro de Equoterapia Primeiro Passo, do Sindicato Rural (SR) de Jataí (GO) atende 65 praticantes, com uma equipe de seis funcionários e é destaque no trabalho que realiza na região.

As aulas ocorrem no Parque de Exposições e conta com a parceria da Prefeitura Municipal de Jataí, através da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Escola de Ensino Especial Érica de Melo e com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Goiás (Senar Goiás). Inicialmente, os atendimentos eram limitados devido ao pouco número de funcionários e espaço físico restrito. Em dezembro de 2016, foi inaugurada a nova sede do Centro de Equoterapia Primeiro Passo, objetivando ampliação do número de atendimentos, respeitando todas as adequações físicas da Associação Nacional de Equoterapia.

História de superaçãomodifi

O praticante que aparece nas fotos é Silvano Neves Dourado, 46 anos. Há três anos, ele sofreu um acidente que causou uma lesão medular tirando seus movimentos dos membros inferiores. Silvano faz a equoterapia há um ano e enfatiza o quanto a atividade fez bem fisicamente quanto emocionalmente desde quando começou. “Quando chega o dia de vir para o Centro de Equoterapia, já amanheço animado e feliz, acordo cedo e já fico pronto esperando a van chegar para me buscar. O cavalo passa a ser as minhas pernas e andando nele, me sinto livre”, diz emocionado.

Segundo ele, quando iniciou os atendimentos, tinha medo e muita insegurança devido à falta de firmeza e equilíbrio, o que hoje já é totalmente superado. “O depoimento de Silvano emociona sem dúvida a todos os que contribuem direta e indiretamente para o funcionamento da equoterapia e no que depender da diretoria do Sindicato Rural e da parceria com a Prefeitura Municipal de Jataí, o Centro de Equoterapia Primeiro Passo sempre funcionará com a maior qualidade, amor e dedicação possível”, destacam os membros do Centro.

Equipe

A equipe é formada pelo coordenador geral, Messias Veloso, dois fisioterapeutas, Yardley Valente e Fernanda Menezes; dois equitadores, Nayara Dutra e Régis Souza e uma educadora física, Joyce de Souza. Os atendimentos são gratuitos e acontecem durante todos os dias da semana nos períodos da manhã e tarde. Para participar do programa, é necessário um encaminhamento médico ao Sindicato Rural e consulta de disponibilidade de vagas. Estando tudo de acordo com as normas e exigências, o paciente já poderá imediatamente agendar os atendimentos.

Equoterapia

Para praticar a atividade, é necessário espaço físico totalmente adaptado, profissionais capacitados e cavalos dóceis e bem treinados para que os resultados do tratamento sejam os melhores possíveis. Durante todas as sessões, os pacientes têm o acompanhamento de um fisioterapeuta, educador físico e equitador. Porém, em alguns centros de treinamento, há a presença de um psicólogo, psicomotricista ou fonoaudiólogo para orientar os exercícios.
Durante os atendimentos, os profissionais acompanham o praticante o tempo todo traçando estratégias de atendimento de acordo com o diagnóstico do médico apresentado no preenchimento do cadastro. No local, temos possibilidade de trabalhar diferentes técnicas com obstáculos para serem percorridos, bem como, possibilidades de realizar os atendimentos na arena ou no gramado.

As principais indicações são para:

Lesões neuromotoras de origem encefálica ou medular; patologias ortopédicas congênitas ou adquiridas por acidentes diversos; disfunções sensório-motoras; doenças genéticas e clínico metabólicas; sequelas de traumas e cirurgias; distúrbios (evolutivos, comportamentais, de aprendizagem, emocionais).

Texto e fotos: Aline Rezende Vilela, Sindicato Rural de Jataí